Pay Attention

Um vídeo que pretende motivar os professores para o uso das tecnologias nas suas práticas lectivas. Fica aqui uma pequena ajuda para a causa. 🙂

Anúncios

Encontro de Centros Novas Oportunidades no Second Life

O 2º Encontro de Centros Novas Oportunidades, realizado no passado dia 2 de Dezembro, foi emitido em vídeo para o espaço do encontro localizado na ilha da Universidade de Aveiro no Second Life. No dia 28 de Novembro realizaram-se algumas actividades preparatórias da componente “inworld” deste evento, entre as quais algumas visitas guiadas a locais com eventual interesse em educação. O Guel Salomon (o meu avatar) fez parte do staff destas visitas, mais concretamente das visitas a locais internacionais. Foi uma boa oportunidade para rever alguns locais e explorar outros.
Aproveitei, também, para acompanhar como visitante os locais nacionais escolhidos para a visita. Nestes, esteve sempre um responsável para conversar com os participantes e explicar o seu funcionamento, bem como outros aspectos do “seu” projecto. Foi muito interessante.

Ficam algumas fotos da visita.

Imperial College

Academia Portucalis

Mais fotos no Flickr.

Aula 2.0, Versão Beta – Ferramentas web 2.0 no ensino

Este foi o tema da apresentação que levei ao eLearnig Day 08, do CITEVE, em Famalicão. Como referi no post anterior, a ideia era partilhar um pouco do que tenho feito, sem pretensões de apresentar modelos, mas apenas experiências. A utilização deste tipo de ferramentas nas aulas das minhas disciplinas iniciou-se no ano anterior e continuou neste ano. A experiência realizada no ano passado, permitiu-me definir um plano de actuação mais coordenado para o presente ano lectivo (ver esquema nos slides). Centrei a actividade principal numa comunidade a que chamámos “B de Biologia”, no Ning, substituindo os blogues de grupos do ano anterior. A comunidade passou a ser o espaço fundamental de interacção entre os diferentes membros da turma (e, eventualmente, de fora dela). Para já parece estar tudo a correr como planeado. A comunidade tem-se revelado dinâmica com as diferentes formas de comunicação que se foram estabelecendo e com a incorporação dos trabalhos realizados noutras ferramentas, partilhando-os com toda a comunidade.

Slides da apresentação:

Voltemos à comunicação no eLearning Day e à sua explicação. Para passar a “mensagem” de uma forma mais agradável criei uma metáfora em que a “aula 2.0, versão beta” vinha dentro de uma pequena caixa “mágica”. Para perceber esta metáfora é fundamental visualizar o vídeo feito pelos meus alunos que incluo neste post mas ao qual vou dedicar um outro post.
Na parte inicial da apresentação procurei enquadrar e justificar a utilização das ferramentas Web 2.0 nas aulas das minhas disciplinas. Posteriormente apresentei um esquema da organização da “aula 2.0” que penso transmitir, de forma fácil, a estratégia global de actuação, e passei, então, às fichas da nossa caixa que correspondiam a exemplos de actividades realizadas. Aqui optei separá-las por actividades e não por ferramentas, visto que deverá ser a definição das actividades a condicionar as ferramentas a seleccionar (o que não exclui a possibilidade e/ou necessidade de haver, também, uma adequação das primeiras às segundas).
Depois de apresentados os exemplos, o vídeo apresenta o olhar dos alunos sobre a “aula 2.0”.
Algumas considerações minhas, resultantes da minha observação do trabalho deles e não de uma avaliação formal (a realizar no final do ano lectivo) , constituem o “meu olhar”.
Por último explico o porquê da versão beta, concluindo que talvez ainda se trate de uma versão alfa. 🙂

O vídeo:

Nota: Já me esquecia de referir que a música do vídeo é original e foi composta pelo André. 🙂

Participação no eLearning Day 08

Na sexta-feira, dia 21, vou até Famalicão participar no eLearning Day 08, organizado pelo CITEVE. Vou apresentar uma comunicação a que dei o nome “Aula 2.0, versão beta – Ferramentas Web 2.0 no Ensino“. A ideia é contar um pouco do que tenho feito com os meus alunos do secundário, no que diz respeito à utilização de algumas ferramentas com o rótulo Web 2.0. Não pretendo transmitir um modelo de actuação, mas apenas partilhar uma experiência pessoal. Assim, vou privilegiar a descrição de actividades em detrimento dos fundamentos teóricos que poderão estar na sua base. Os slides da apresentação ficam para depois.

e-Learning Day – Programa Detalhado

Get your own at Scribd or explore others: eLearning

Logo do CFAEBI

O Centro de Formação da Associação de Escolas da Beira Interior lançou o desafio para a criação do seu logótipo. Resolvi fazer uns rabiscos e concorrer… Surpresa!!! A minha proposta ganhou! (e julgo que houve mais propostas a concurso) 😀

De acordo com o regulamento do concurso as propostas deveriam relacionar-se com elementos naturais (ou históricos) comuns aos cinco concelhos constituintes do centro de formação (Covilhã, Belmonte, Manteigas, Penamacor e Fundão) e deveriam obedecer, entre outras coisas, a uma determinada combinação cromática. Assim, a minha proposta, representa a Serra da Estrela como resultado do conjunto dos cinco concelhos unidos, estilizados no aspecto humano da formação e de acordo com as cores requeridas.

Apresento aqui a proposta vencedora, deixando para publicação posterior (depois de alguns acertos) as normas gráficas respectivas.proposta_final

Participação no TIME

No passado dia 11 de Setembro apresentei uma comunicação no encontro “Tecnologias Interactivas Multimédia em Educação” (Time), organizado pelo Centro de Competências Entre Mar e Serra (CCEMS). Inicialmente fiquei um pouco apreensivo com o convite do CCEMS. Questionei-me sobre o que poderia falar com interesse sobre os quadros interactivos multimédia (QIM). Os aspectos teóricos relacionados com o seu funcionamento e utilização, para além de me parecerem pouco relevantes para o contexto, não constituem um ambiente onde me possa “movimentar” com segurança. Depois de me explicarem que o encontro se destinava, essencialmente, à partilha de experiências na utilização dos quadros, fiquei mais descansado e comecei a pensar na forma como poderia partilhar a minha experiência em sala de aula.

Tendo como pressuposto que era mais importante a forma de utilização do quadro interactivo, do que os materiais utilizados, e fazendo uma retrospectiva das actividades realizadas, optei por classificá-las em duas tipologias: a utilização do quadro fazendo uso de recursos produzidos no seu próprio software e a utilização mais “livre” em que o quadro serve para manipular qualquer tipo de material digital disponível no computador. Antes de caracterizar estas duas tipologias, procurei justificar a necessidade absoluta de um suporte visual forte na disciplina de Biologia e como esta necessidade pode ser transformada num proveito pedagógico com a interacção que resulta da utilização dos quadros.

Quem quiser espreitar a apresentação…

A guerra das redes sociais…